Correio Braziliense – Crítica Anormal – Janeiro 2008